Fio de vida.

(Foto: Victoria Ivanova).


“ Já fiz mais do que podia nem sei como foi que fiz
 Muita vez nem quis a vida. A vida foi quem me quis.
 Para me ter como servo? 
Para acender um tição na frágua da indiferença?
 Para abrir um coração no fosso da inteligência?
 Não sei, nunca vou saber.
 Sei que de tanto me ter, acabei amando a vida.
 Vida que anda por um fio, diz quem sabe.
 Pode andar, contanto (vida é milagre) que bem cumprido
                      o meu fio.”

                                             (Thiago de Mello)*


* : Amadeu Thiago de Mello (1926). Poeta brasileiro.






Nenhum comentário:

Postar um comentário