Vou-me embora pra Pasárgada*


Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
— Lá sou amigo do rei —
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

                                                         (Manuel Bandeira)**


Fonte: “Bandeira a Vida Inteira” (Editora Alumbramento). RJ,1986, pg. 90.
*: Cidade da antiga Pérsia (província de Fars, Irã). 
Primeira capital da Pérsia no tempo de Ciro II.
 É hoje Patrimônio Mundial da Unesco.
**: Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (1886-1968). 
Poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura
e tradutor brasileiro nascido no Recife (Pernambuco).








Nenhum comentário:

Postar um comentário