Pressa. Paciência. Conflitos de uma geração.
Compartilha-se com vocês o texto objetivo e enxuto da jovem publicitária Bia Lopes. Como ela diz “ escorpiana, não necessariamente nessa ordem. Inquieta por natureza e sonhadora incorrigível. De passagem por este mundo, tentando, aprendendo, vivendo.
Ela nos mostra o conflito da geração dos jovens de hoje com os nascidos nos anos oitenta. Anos oitenta. Ah! Inimaginável. Assustador  é este conflito para quem nasceu nos anos quarenta.   

                                       
                         “ Nasci nos anos 80. Sou de uma geração em que era preciso paciência. Não tínhamos aparelhos celulares, telefone era algo escasso para a maioria, precisávamos usar orelhões e a cada três minutos era necessário inserir uma nova ficha, senão a ligação caía. Para marcar um encontro era preciso pontualidade. Não havia como avisar sobre algum possível atraso, porque ninguém sabia o que era internet banda larga, whatsapp ou messenger. A vida acontecia longe do mundo virtual. E tudo dava muito certo.
Para ouvir sua música favorita só havia duas maneiras: ou esperar a rádio tocar (e deixar a fita k-7 no ponto, torcendo pra que o locutor não tagarelasse antes do fim da canção) ou comprar o LP (ou mesmo a fita, já que o LP era algo mais caro). Para ouvir o bendito também era preciso paciência: limpar cuidadosamente o disco, abrir a tampa da vitrola, inseri-lo com muita cautela para não arranhar e colocar delicadamente a agulha. Pronto, agora era apreciar alguns minutos de música, até que o lado A terminasse e você precisasse voltar para repetir o processo – só que agora para ouvir o lado B. E isso às vezes acontecia mais de uma vez ao dia, com mais de um disco, dependendo do vício musical ou do nível de fanatismo pela banda.
Para saber as notícias mais recentes era necessário esperar o telejornal ou correr até a banca e comprar o impresso. Os assuntos mais esperados e que geravam uma maior discussão viravam matéria de revistas, algumas campeãs de vendas. Porém, até as mais caras valiam o esforço financeiro: ler era considerado algo muito prazeroso. Quase todo mundo gostava e mantinha o hábito, já que isso era cultural. Numa época onde o mundo virtual não ocupava nosso tempo, ler revistas, histórias em quadrinhos, livros e jornais já fazia parte do cotidiano. Tínhamos tempo e, principalmente, paciência.
Hoje, observando as pessoas que têm agora a idade que eu tinha na época, não consigo imaginá-las fazendo as mesmas coisas que eu fazia. Tudo acontece tão rápido e já vem tão pronto que escapou de nos ensinar a essa geração a arte da espera. Crianças e jovens sofrem de ansiedade, depressão e doenças psicológicas e emocionais que, acredito eu, sejam resultado dessa vida atropelada, desses hábitos que acabamos por ensiná-los e permitimos que os dominem. Há uma linha tênue entre o uso sadio e proveitoso das redes sociais e o vício. O que acontece é que muitos de nós não conseguem perceber a diferença e acabam se deixando levar pelo excesso. Perdeu-se o hábito da apreciação e a nova geração não conhece o que é fazer uma coisa por vez, aproveitando cada uma, cada momento, vivendo plenamente cada situação. E o pior: falta paciência.
Sabemos que as coisas mudam e que nada permanece do mesmo jeito para sempre. É natural que as novas gerações sejam diferentes, assim como somos diferentes das gerações anteriores às nossas. O que me preocupa é a maneira como essas mudanças estão interferindo na saúde mental coletiva, no comportamento social e individual, comprometendo o equilíbrio, de maneira geral. Estamos diante de seres humanos impacientes, ansiosos e nervosos, que não se sentem prontos para encarar desafios e não têm paciência para esperar, seja pelo transporte público, pelo download da série ou pelo jantar. O celular se tornou um acessório indispensável e não um objeto com certa utilidade. Costuma-se dar mais atenção a ele do que a uma boa conversa cara a cara, por exemplo. E não se perdeu só a paciência, mas principalmente o prazer das pequenas coisas. O prazer de ser livre das amarras virtuais. E meu grande receio é que, com o tempo, se perca o prazer de viver.  ”


(Texto de Bia Lopes. Publicado em http://obviousmag.org/)






Nenhum comentário:

Postar um comentário