A tecnologia não está acabando com a leitura.
                                                  Ela está acabando com os leitores.











                                                                            (...), o mundo cada vez lê mais ao mesmo tempo em que a leitura de livros, digitais ou físicos, estagnou. O advento da internet redirecionou o foco de atenção do mundo no século vinte e um. Isso não é uma crítica ou elogio, apenas uma constatação. (...) O perfil médio de leitura de uma pessoa hoje tem demandas diferentes. Textos mais longos e/ou complexos são descartados por serem longos e/ou complexos. A plataforma internet acabou criando uma dinâmica diferente para a informação, mudando os textos e o seu padrão. Se por um lado a tecnologia deu possibilidade de grandes grupos de leitores, por outro ela não aumentou o número destes. Mesmo, como citado nos comentários, com as novas possibilidades de leitura no celular, tablet, kindle, entre outros, o nível nacional e mundial continua o mesmo. Mais, o leitor mudou e se tornou menos tolerante com textos que ocupam muito espaço, longos, que não são obsessivos com o ir direto ao ponto. Além disso, temos um ponto prático. O dia ainda mantém as suas vinte e quatro horas. Com a tomada de espaço de eletrônicos conectados a internet da última década, o tempo hábil para leitura diminuiu. O tempo que você utiliza para ler este texto, por exemplo, poderia ser usado à leitura. Computador, tablet e então o smartphone ganharam terreno nas nossas vidas. Mesmo que o ato de leitura se mantenha, o leitor, aquele que senta com seu texto, indiferente de plataforma, está diminuindo – ao menos como nós o conhecemos. Obras extensas (entenda obra extensa como algo que vá além de duzentas páginas) estão perdendo leitores. O mercado do livro aumenta na proporção que a população aumenta como um todo. A possibilidade de maior acesso a obras, literárias ou não-literárias, não significou um aumento real de leitores. Em resumo: a tecnologia não está acabando com a leitura, ela está acabando com leitores enquanto os conhecemos. Seu perfil pode apenas estar mudando, o que não é bom nem ruim. O fato é que muitos leitores ativos, novos ou experientes, têm dedicado cada vez mais tempo ao celular e a eletrônicos em geral. Isto é um fato que não podemos negar. Como a experiência nos ensina, não podemos estar em dois lugares ao mesmo tempo. 
A escolha é nossa.

(Texto editado de José Figueredo có-editor do blog ‘Homo Literatus’. 










Nenhum comentário:

Postar um comentário