Para que serve a literatura brasileira?

“ Estamos condicionados desde a escola a valorizarmos o tópico literatura brasileira.
Os motivos dados são muitos: porque é feito aqui, porque devemos elevar o que é nosso, porque somos tão bons quanto os europeus, americanos ou orientais etc.
Mas isso é realmente importante?
Vamos pensar primeiro que literatura brasileira, assim como literatura russa, literatura americana, literatura francesa ou literatura egípcia, são rótulos criados e estabelecidos para juntar autores diversos dentro de uma mesma etiqueta.
Dentro dessas etiquetas cabe de tudo - no nosso caso não é exceção: poesia com e sem verso e rima, epopeia, romance, conto, crônica, estudo sociológico positivista, teatro, carta.
Nada disso, de fato, dá valor ao rótulo literatura brasileiro, apenas a define, a delimita. Se é melhor ou pior do que a dos nossos vizinhos argentinos ou uruguaios, colombianos ou venezuelanos, depende do julgamento feito. Nada é em si.
Segundo, e não menos importante, é o fato de que muitos dos autores postos debaixo desse guarda-chuva de literatura brasileira são, mesmo dentro de áreas comuns, tais qual o romance, absolutamente diferentes.
O que une Machado de Assis, Graciliano Ramos e Guimarães Rosa além do gênero? Cada qual escreveu de uma forma diferente, sobre um Brasil diferente e numa época específica. Amontoá-los sobre o termo literatura brasileira serve apenas como apoio aos professores, delimitando o escopo a ser trabalhado.
E por que fazemos isso?
É resultado da era das revoluções do romantismo e da necessidade de se constituir aquela novidade chamada nação. Reunimos dentro do mesmo grupo escritores variados conforme necessidade de criar uma imagem da nação – seguindo aquilo que Stuart Hall chamaria de check-list da identidade nacional.
Formamos um grupo a partir desses critérios, estabelecemos que esse deveria ser o parâmetro de ensino nas escolas e o impomos ano após ano aos alunos. Não importa se metade dos autores do cânone tupiniquim seja entediante (assim como metade de qualquer cânone estabelecido), não faça parte da formação de leitor jovem de hoje (afinal, ler as aventuras de Harry Potter em vez de ‘O guarani’ não é nenhum pecado) ou simplesmente não seja do interesse de quase ninguém além de certos professores universitários da área de Letras.
Criamos um grupo aleatório (e todos os grupos são criados a partir de regras aleatórias) e insistimos, ou muitos de nós o fazemos, de que esse é a melhor literatura do mundo e devemos lê-la, respeitá-la, exaltá-la etc.
Aqui chegamos à grande questão: para que serve a literatura brasileira?
Depende de quem faz uso dela.
Para o ensino, é o maior instrumento de tédio construído na escola. Ensinar escolas literárias, movimentos de isso ou aquilo, mostrar (ou na verdade impor) o quão bom é Machado de Assis acaba por ter um resultado inverso ao que a aula de literatura deseja ao apresentar a nossa: mata leitores.
O ensino expositivo e impositivo, no qual, na maioria das vezes, apenas mostra as qualidades e pouco lê de fato dos textos, faz com que jovens vejam a leitura da escola, sempre sinônimo de literatura brasileira, enquanto tédio, chatice, prova a ser respondido, livro e a ser lido por obrigação, não por prazer. A leitura perde valor, direcionando os mais jovens ao que é escrito fora das nossas fronteiras (que é, no fim das contas, o delimitador da nossa literatura).
(Se você não acredita no argumento acima, procure as taxas de rejeição aqui e em outros países sobre os seus clássicos, é assustadoramente grande. Ingleses odeiam Shakespeare e portugueses, Camões. Franceses detestam Victor Hugo e alemães, Goethe. Como disse Leandro Karnal, professor de História da Unicamp, para fazer com que o grande público deteste um bom autor, basta estabelecê-lo no ensino regular)
Precisamos lembrar ou reconhecer, como preferirem, que a literatura brasileira é um grupo criado, fechando-a numa fronteira, o que não a torna melhor ou pior do que outras.
Ela existe assim como a literatura feminina, a literatura pós-colonial, a literatura marginal etc. São elas estabelecidas em torno de um centro em determinada época por determinado motivo, o que não a torna nem boa nem ruim. O ensino dela nas escolas, ao menos no seu modelo atual, é um trucidador de leitores, nada mais.
A crítica e a universidade também não têm feito nada para mudar esse quadro, elevado a píncaros de qualidade que não existem além das suas mentes.
(O que não significa que não há, no passado ou no presente, bons autores nacionais. Significa isso sim, que o fato de ser nosso faz com que ela seja superestimada em muitos aspectos, nada mais).
Devemos parar de ter esse uso da literatura brasileira e admitirmos que somos tão bons e tão ruins quanto qualquer grupo literário estabelecido.
Seja por nação, por grupo étnico, social ou que a imaginação acadêmica possa criar.
Paremos de ler literatura brasileira para ler apenas literatura, feita nessas fronteiras ou não. Não é o rótulo dado que estabelece a qualidade do texto, sim a leitura que fazemos dele. ”

(José Figueiredo).











Nenhum comentário:

Postar um comentário