Elegância.





  
“A elegância não se explica, Constata-se apenas.
É alguma coisa de incoercível, alguma coisa de impreciso, de fugitivo e de imaterial, que escapa a toda a definição e que resiste a toda a análise.
Como a beleza, como o próprio Deus, é mais difícil dizer onde ela está do que onde ela não está.
Como o perfume, sente-se e não se vê.
Todos percebem onde ela falta; e ninguém sabe dizer de onde ela vem.
Quando tentamos defini-la, precisá-la, isolá-la, foge-nos entre os dedos, como uma sombra.
Onde existe, transforma tudo; onde não existe, não há arte, não há talento, não há beleza que a substitua.
Não é um dom que se adquire; é um instinto com que se nasce.”

(Júlio Dantas. 1876-1962)*





*: Escritor, médico, político e diplomata português.






                                               

Nenhum comentário:

Postar um comentário