Maria Firmina dos Reis. (1825-1917).













                                                              Escritora e professora. Considerada a primeira romancista brasileira. Nasceu em São Luís (Maranhão). Enfrentando as barreiras dos preconceitos. Publicou (1859) o romance “Úrsula”, considerado o primeiro romance abolicionista do Brasil e um dos primeiros escritos por uma mulher brasileira.
Em outro romance  “Gupeva” (1870) aborda o indigenismo. Agora o preconceito com o indígena. Seu livro conta a história de um chefe indígena que se apaixona por uma moça vinda da Europa.
Logo depois (1871) publica a coletânea de poesias “Cantos à beira-mar”. Sempre presente e atuante publica contos e artigos críticos literários para jornais do seu tempo. Pioneira. Destemida. Antiescravistas. Republicana. 
Decide fundar (1880) uma escola gratuita e mista ( meninos/meninas). 
Um  escândalo naqueles tempos. Após três anos funcionando. A pressão da sociedade a faz fechar a escola.
Retorna ao tema abolicionista e escreve (1887) "A Escrava".
Além de romancista e contista. Maria Firmina foi poetisa, charadista e até compositora de música. Compôs o ‘Hino à Libertação dos Escravos’.  
Solteira. Tornou-se “Mãe adotiva” de inúmeras crianças.
Onde escolheu para viver. Povoado de Guimarães. Morreu pobre, cega e esquecida.
Hoje. Felizmente. Autores e pesquisadores vão descobrindo este orgulho para o povo maranhense. E brasileiro. Resgatando sua importância. Comentando sua vida e obra.
O “Jurubeba Cultural”. Faz sua parte.
A ousadia de Maria Firmina dos Reis deve ser conhecida pelo Brasil.



■ Referências:
- “Maria Firmina dos Reis: Nossa Primeira Romancista.” Neres, José. In: Revista Conhecimento Prático Literatura. nº 58. 2015.
- http://www.uel.br/pos/letras/terraroxa/g_pdf/vol17B/TRvol17Bc.pdf
- http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/ECAP-73WGED/1/disserta__o___revis_o.pdf
- http://tede.pucrs.br/tde_arquivos/16/TDE-2007-06-20T155835Z-693/Publico/390035_p1_282.pdf
■ Fonte: http://homoliteratus.com/  e  http://pt.wikipedia.org/












  

Nenhum comentário:

Postar um comentário