Cultura: Um Conceito Antropológico










A difícil diferença entre cultura, arte e                                                             entretenimento.



O texto que segue é do professor e Mestre em Literatura Brasileira ( UFRGS) Jornalista e escritor. Marcelo Spalding. (Site: www.marcelospalding.com.
 Impossível não deixar de compartilhar suas opiniões com você que visita este espaço virtual.


                                                            “ Já foi Paulo Coelho, Zé do Caixão, Michel Teló, Carla Perez, Romero Brito; Julio Iglesias, Madonna, Chaves, Roberto Benini, Psy. Agora é Valesca Popozuda. Isso tudo é cultura? E se não é cultura, é o que? Diversão? Alienação? Uma bofetada no gosto público? Para responder a esta fácil questão é preciso retomar o difícil conceito de cultura. E vou resistir à tentação de começar com a etimologia da palavra, primeiro porque não sou versado em latim, segundo porque a origem do termo cultura é tão ampla que pouco ajuda na definição.
Ocorre que cultura não é sinônimo de arte, nem de erudição, como muitos pensam. E tanto pensam que chamam de culto àquele que ouvem música clássica alemã, entendem de literatura francesa ou assistem a filmes italianos. Cultura é, grosso modo, o oposto de natureza, o domínio do homem sobre a natureza (grifo nosso). Tanto que até o Iluminismo francês o termo cultura estava associado ao cultivo da terra, ao que hoje chamamos de agricultura. Daí a “cultura” do tomate, a “cultura” da uva, etc.
A oposição, então, é entre o que é natural X o que é cultural. Comer é natural; comer fondue é cultural, comer churrasco é cultural. Transar é natural; strip-tease é cultural, monogamia é cultural; Dormir é natural; sestear em rede é cultural, dormir em cama de casal é cultural. Ter medo é natural; representar o medo é cultural, criar mandingas é cultural.
Claro que essa acepção de cultura é muito ampla e não condiz, por exemplo, com a função do Ministério de Cultura de um país (que não lida com a religião, com a agricultura, com a tecnologia, etc.), nem com os assuntos de um Caderno de Cultura jornalístico (embora estes estejam ampliando sobremaneira suas pautas). Nestes casos, cultura é compreendida como o conjunto de representações, partindo das sete artes (literatura, teatro, pintura, escultura, música, arquitetura e cinema), mas hoje se estendendo a folclore, televisão, moda, design, gastronomia, HQs, games, etc.
Note, porém, que não há juízo de valor no termo “cultura”.
Dessa forma, sim, Júlio Iglesias, Paulo Coelho, Chaves, Zé do Caixão e Valesca Popozuda são parte da cultura, tanto quanto Shakespeare ou Noel Rosa. Beijinho no ombro para todos nós.
É nesse ponto, porém, que devemos distinguir duas categorias que estariam dentro da categoria cultura: arte e entretenimento.
Quando se fala em jornalismo cultural, especialmente, temos de lembrar que ele lida com arte e entretenimento, o que inclui a novela das seis e o Big Brother. Essa é a dicotomia; não, como escrevem alguns, cultura e entretenimento, pois o entretenimento é parte da cultura, gostemos ou não.
É na distinção entre arte e entretenimento que o terreno torna-se pantanoso, pois lida com aspectos estéticos, ideológicos e, em ambos os casos, de forma subjetiva. Não que os conceitos não sejam relativamente claros:
Entretenimento  é aquilo que diverte, distrai, entretém;
Arte, segundo o Houaiss, é a "produção consciente de obras, formas ou objetos voltados para a concretização de um ideal de beleza e harmonia”.
O difícil, aqui, é definir beleza. O belo é uma construção ou é algo palpável, objetivo? E definir limites: não pode algo entreter e ser belo?
Para não entrar em meandros filosóficos que vão além de minha alçada, e estudos sobre a estética temos muitos, podemos dizer que, pensando nos extremos, a principal diferença entre aquilo que é produzido como arte e aquilo que é produzido como entretenimento é o fim, o objetivo. A rigor, e sendo muito simplista, uma sequência do Homem Aranha quer arrecadar muitos milhões no fim de semana de estreia e deixar os investidores felizes, mesmo que seja esquecido daqui a um ou dois anos. Por outro lado, um Saramago ou um Guimarães Rosa não fazem concessões de linguagem porque não querem perder sua credibilidade, acreditando estarem fazendo algo sublime, artístico, que permanecerá para além de seu tempo e espaço (e são reconhecidos pelo público, pela mídia, etc. exatamente por este motivo).
Claro que muito do que é produzido como entretenimento pode, com o tempo, obter valor artístico, seja pela qualidade da obra, seja pela sua importância histórica (por vezes por ambos os motivos). O filme ‘Casablanca’ e o seriado ‘Chaves’ talvez sejam bons exemplos. Por outro lado, algo que seja produzido como arte pode acabar tornando-se puro entretenimento, e que o digam esses videozinhos virais da internet.
Isso não impede, porém, que se tenha clara a distinção entre arte e entretenimento, até porque o público faz essa distinção. Apesar de todos os esforços da indústria do entretenimento (se os frankfurtianos vivessem hoje...), as pessoas querem algo que mexa com elas, algo que permaneça em seu imaginário, algo que amplie seus horizontes simbólicos, amplie sua visão de mundo.
Isso só a arte faz.
Pergunte para alguém ao seu redor qual foi o filme, o livro, o disco ou a peça de teatro que mais marcou sua vida. Duvido que a resposta seja ‘Rambo’ ou’ Valesca Popozuda’.
Talvez a solução para compreendermos nosso momento cultural contemporâneo seja não ver o conceito de arte como algo binário (é ou não é arte), e sim como um atributo que pode estar mais ou menos presente em determinada obra. Porque certamente há elementos estéticos (artísticos) em um blockbuster ou em uma novela das seis, assim como há elementos de entretenimento em um romance de Saramago.
Discutir quais são esses elementos, o que torna um filme melhor do que outro, um livro melhor do que outro ou uma música melhor do que outra para um conjunto grande de pessoas (não se pode fazer esse tipo de avaliação com a opinião de uma pessoa só) discutir o que faz de Tarantino, Saramago ou dos Beatles o que eles são é, talvez, o grande desafio para quem trabalha com cultura hoje. E não tentar desqualificar a ‘Popozuda’ porque ela quer ganhar dinheiro e chama a atenção da mídia.
Fazer cultura é um direito de todos, até da ‘Popozuda’.
Eu diria até que é inerente a cada um de nós.
Já fazer arte é um ofício, um dom, um mistério, uma busca incessante de uns poucos loucos como alguns de nós. Ainda que jamais consigamos alcançá-la. (grifo nosso)



Fonte: http://www.artistasgauchos.com.br






/

Nenhum comentário:

Postar um comentário