Curiosidades. Textos indicando as prováveis origens de alguns ditados populares repetidamente usados no linguajar diário.  Expressões que através dos anos não se modifica. Os ditados populares se constituem parte importante de cada cultura. Eis alguns deles usados pelos brasileiros.
 
 
● 'De meia-tigela.'
    Coisas de pouco valor ou pessoas irrelevantes no seu meio social. A origem da expressão nos leva aos tempos da monarquia portuguesa. Nela, as pessoas que prestavam serviço à Corte (camareiros, pajens, criados em geral) obedeciam a uma hierarquia, com obrigações maiores ou menores, dependendo do posto de cada um. Alimentavam-se no próprio local de trabalho e recebiam quantidade de comida proporcional à importância do serviço prestado. Assim, alguns comiam em tigela inteira, outros em meia-tigela, critério definido pelo Livro da Cozinha del Rey e rigorosamente observado pelo funcionário do palácio, que supervisionava as iguarias que chegavam à mesa real – na verdade, o grande fiscal da comilança palaciana. Hoje, essa prática deixou de existir, mas ficou o sentido figurado da expressão, que continua designando coisas
 
● 'Bode Expiatório.'
   Significa que alguém recebeu a culpa de algo cometido por outra pessoa. A origem está num rito da tradição judaica. Simbolicamente, o povo depositava todos os seus pecados num bode, que era levado até o deserto e abandonado. Dessa forma, acreditava-se que as pessoas estariam livres de todos os males que tinham feito.
 
'Advogado do diabo.'
   Origem na Igreja Católica. Quando um processo de santificação tem inicio, o Vaticano escolhe um de seus membros para investigar se os milagres atribuídos ao candidato são de fato verdadeiros. Essa pessoa passou a ser chamada, então, de advogado do diabo, pois iria trabalhar para comprovar algumas irregularidades e inverdades contra o candidato a santo.
 
● 'Sem eira nem beira.' 
   As pessoas sem bens, sem posses. Eira é um terreno de terra batida ou cimento onde grãos ficam ao ar livre para secar. Beira é a beirada da eira. Quando uma eira não tem beira, o vento leva os grãos e o proprietário fica sem nada. Na região nordeste este ditado tem o mesmo significado mas outra explicação. Dizem que antigamente as casas das pessoas ricas tinham um telhado triplo: a eira, a beira e a tribeira como era chamada a parte mais alta do telhado. As pessoas mais pobres não tinham condições de fazer este telhado , então construíam somente a tribeira ficando assim "sem eira nem beira".
 
● 'Bafo de Onça.'
   A onça é um animal carnívoro e se lambuza na hora de comer a caça, por isso fede muito e sua presença é detectada à distância na mata. Devido a isso, o hálito fétido passou a se chamar popularmente de bafo de onça. Também significa o hálito de quem está (ou esteve) alcoolizado. 
 
● 'Santinha do pau oco.'   
   Expressão que se refere à pessoa que se faz de boazinha, mas não é. Nos século XVIII e XIX os contrabandistas de ouro em pó, moedas e pedras preciosas utilizavam estátuas de santos ocas por dentro. O santo era "recheado" com preciosidades roubadas e enviado para Portugal.
 
● 'Cagado e cuspido.'
    Significa muita semelhança entre duas pessoas. Sua origem tem algumas variações. Uma delas é “calcado e esculpido” (que se calcou/comprimido). Uma outra é “em carrara esculpido”, onde carrara é um tipo de mármore usado para esculpir e que deixa as peças mais “bem feitas” que outros tipos de mármores usados. Há ainda uma outra variante para tal expressão: “encarnado e esculpido”, como se o rosto e o espírito de alguém estivessem entranhados no rosto ou no corpo de outra pessoa. 
 
● 'Colocar no prego.'
   A origem dessa expressão vem do fato de que nas antigas casas comerciais – tabernas, empórios, farmácias – existia um prego onde o comerciante espetava as contas de quem pedia para pagar depois. Quando o freguês retornava para quitar a dívida, o dono tirava os papéis do prego, somava os valores e cobrava. Colocar no prego é colocar no pendura, comprar fiado, pagar depois. Ainda hoje alguns comerciantes, que não gostam disso, exibem um cartaz bem visível que avisa: “Fiado só amanhã”.
 
● 'Baderna.'
   Uma bailarina de nome Marietta Baderna fazia muito sucesso no ‘Teatro Alla Scalla’, de Milão. Ao apresentar-se no Brasil (1851), causou frisson entre seus fãs, logo apelidados de “os badernas”. O sobrenome da artista, de comportamento liberal demais para os padrões da época, deu origem ao termo que significa confusão, bagunça.
 
● 'Dar com os burros n’água.'
   A expressão surgiu no período do Brasil colonial, onde tropeiros que escoavam a produção de ouro, cacau e café, precisavam ir da região Sul à Sudeste sobre burros e mulas. O fato era que muitas vezes esses burros, devido à falta de estradas adequadas, passavam por caminhos muito difíceis e regiões alagadas, onde alguns dos burros morriam afogados. Daí em diante o termo passou a ser usado para se referir a alguém que faz um grande esforço para conseguir algum feito e não consegue ter sucesso naquilo.
 
● 'Ter sangue de barata.'
   Tem gente que pensa que as baratas não têm sangue. Elas têm sim, mas não é como o nosso. No caso delas, é um líquido quase pastoso e frio, como uma gosma, que transmite suas sensações. Ela não sente dor como nós sentimos, por isso resiste tanto. Daí dizer-se que uma pessoa tem sangue de barata quando não se altera facilmente, mesmo diante de situações difíceis. É o caso de alguém de temperamento frio e de extrema paciência.
 
● 'Segurar a vela.'
   No período correspondente à Idade Antiga e Média, as pessoas acendiam velas para fazer suas atividades noturnas como, por exemplo, jantar, tomar banho, entre outras. Na Idade Média, as pessoas que eram designadas ao trabalho braçal seguravam as velas para que seu senhor enxergasse o que fazia. Em eventos e estabelecimentos que só funcionavam à noite, colocavam garotos para acender e segurar velas. Esse também era o trabalho desempenhado por alguns criados que seguravam candeeiros para que seus patrões pudessem ter relações sexuais com luz, porém durante todo o ato sexual eles deveriam manter-se de costas, de forma a não invadir a privacidade do casal. Ao longo do tempo o termo “segurar vela” ganhou diferentes definições e a mais recente é a utilizada para designar o papel de um amigo solteiro que acompanha um casal de namorados, ficando esse ‘sobrando e/ou atrapalhando’ o clima romântico do casal.
 
● 'Acabar tudo em pizza.'
   Algo errado é resolvido. Entretanto. Ninguém é punido e nenhuma solução adequada.Uma das expressões mais comuns quando alguém quer criticar a política. O termo surgiu através do futebol. Na década de 60, alguns dirigente do Palmeiras (clube de São Paulo) se reuniram para resolver alguns problemas internos. Durante 14 horas seguidas de brigas e discussões, estavam morrendo de fome. Então, todos foram a uma pizzaria, tomaram muito chope e pediram 18 pizzas gigantes. Depois disso, foram para casa e a paz reinou absolutamente. Este episódio foi noticiado no jornal ‘Gazeta Esportiva’ (São Paulo) pelo jornalista Milton Peruzzi com a manchete: “Crise do Palmeiras termina em pizza”. Daí em diante o termo pegou.
 
● 'Macaco velho não põe a mão em cumbuca.'
   Existe uma árvore chamada sapucaia que dá um fruto em forma de cumbuca. Quando amadurece, a cumbuca desprende pequenas castanhas. Os filhotes de macacos enfiam a mão na abertura da fruta e ficam presos. Eles só conseguem sair quando fecham a mão e abandonam o fruto. O macaco velho, já experiente, não passa mais por isso.
 
 
                                                                     ► Fontes:
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário